Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O nosso blog abre um canal onde o internauta poderá participar sugerindo publicação. Enviando fotos

Traduza para seu idioma

Visitas internacionais

Free counters!

Seguidores

Polícia de Pernambuco faz maior apreensão de cocaína do ano

A PF (Polícia Federal) em Pernambuco divulgou neste domingo (20) que fez a maior apreensão de pasta base de cocaína registrada em Pernambuco este ano: 52,1 quilos, que estavam escondidos em uma carreta que passava pelo município de Xexéu (a 139 km de Recife). A cocaína, interceptada na quinta-feira (17), vinha do Mato Grosso.

A droga estava dividida em 50 tabletes e escondida na cabine da carreta, que levava bolsas plásticas até Vitória de Santo Antão (a 51 km de Recife). O caminhão estava parado num posto fiscal quando foi vistoriado pela PF.


Esta é a 11ª apreensão de drogas feita pela PF em Pernambuco este ano. Até a agora foram interceptados 132,1 kg de pasta base de cocaína, 79,5 kg de maconha e 17,1 kg de cocaína pura. Doze pessoas foram presas por envolvimento com o tráfico de drogas.

A polícia informou que a droga foi fabricada na Bolívia e seria usada para abastecer vários pontos de venda de crack na região metropolitana do Recife, como Olinda, Jaboatão e Cabo de Santo Agostinho.

Caso os 52,1 quilos de pasta base fossem transformados em crack eles renderiam 156 quilos da droga, o que corresponde a aproximadamente 625 mil pedras.

Segundo a PF, o motorista Lauro José Schutz, 50, estava acompanhado da mulher e dos dois filhos, de 1 e 3 anos, quando transportava a droga. Em depoimento, Schutz disse que recebeu uma proposta de ganhar R$ 30 mil de dois homens, que não tiveram a identidade revelada, para transportar a droga do Mato Grosso até Vitória de Santo Antão.

Ele disse que aceitou por estar em situação financeira difícil e que foi a primeira vez que fez este tipo detransporte. A PF disse que o motorista não tem antecedentes criminais.

A mulher e os filhos estão em abrigo aguardando ajuda financeira da família para retornar ao Mato Grosso. A mulher disse que não tinha conhecimento de que o caminhão estava transportando droga.

O motorista foi preso em flagrante e levado para a superintendência da PF, em Recife, onde foi autuado por tráfico interestadual de entorpecentes. Ele foi levado para o Cotel (Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna), onde ficará a disposição da Justiça. 

Epopéa do tempo com o Vitoriense Henrique de Holanda


               Artigo publicado na revista pilheria  que circulava na cidade de Recife em 1930
                            Victória cidadinha calma onde elle tem sua mansão feliz



para ampliar a imagem clik na foto do poema

                                                Henrique de Holanda Cavalcanti (3)
                                                 foto blog do pilako

ver link

















Levantamento aponta 20 crianças mortas ao dirigir cinquentinhas

Comitê de Prevenção aos Acidentes de Moto vê fato como epidemia


 / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Franzino, ar sério, sem camisa e de alpercatas no pé, Saulo (nome fictício) tem apenas 12 anos, mas já pilota uma cinquentinha – veículo ciclomotor de até 50 cilindradas. O menino ajuda o pai numa oficina de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife, levando veículos do tipo para lavar, por uma via cheia de curvas, onde, além dos carros, passam ônibus nos dois sentidos. O pai alega não ter medo porque o percurso é pequeno. Os números provam o contrário.

Em 2013, pelo menos 20 crianças menores de 13 anos morreram em acidentes com as cinquentinhas no Estado, segundo levantamento do Comitê de Prevenção aos Acidentes de Moto em Pernambuco (Cepam). "É uma epidemia", alerta o coordenador-executivo da entidade, o médico João Veiga. "Fizemos a contabilidade até o último dia do ano, no IML, mas podia haver pessoas internadas e esse número ser maior."

O Cepam realizou pesquisas de campo no Recife, Petrolina, Caruaru, Araripina e Ouricuri. "No interior a situação é ainda mais grave. Flagramos meninos de 8 anos pilotando", declara Veiga. "Eles usam a motocicleta, sobretudo, para ir à escola ou trabalhar, a maioria sem capacete. Há uma conivência dos pais, dos colégios, dos agentes de trânsito."

O médico informa que a Operação Lei Seca será realizada também durante o dia, para fiscalizar as cinquentinhas. "É tarefa dos municípios, mas estão adiando demais. Se não há placas, vamos multar pelos chassis e apreender os veículos. Menores não podem pilotar."

O Recife sancionou lei para emplacamento e regularização das cinquentinhas em novembro, com previsão de começar a aplicá-la em janeiro, mas até agora nem sequer publicou decreto regulamentando-a. Sem isso, não há como identificar os proprietários e nem mesmo a quantidade de veículos em circulação. Estima-se 150 mil.

A Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) limitou-se a enviar nota informando que já finalizou a redação do decreto e agora trabalha no ajustamento do sistema que fará o cadastro. Não deu, contudo, previsão para iniciar o emplacamento e a fiscalização.

Até lá, Saulo e outras crianças (o JC flagrou pelo menos três menores na Zona Norte ontem, um deles fazendo piruetas arriscadas) continuam dirigindo sob os olhos de todos e a crença das famílias de que nada vai acontecer. "Sei que é um crime, estou errado. Ele já foi parado três vezes por policiais, com armas na cara. Mas só deixo porque é pertinho", disse o pai do garoto, que tem outro filho de 15 anos no serviço de "piloto".ver link

Fábrica de metais sanitários é inaugurada em Vitória de Santo Antão

A unidade gera 300 empregos diretos


 /

Com investimento de R$ 44 milhões, o grupo espanhol Roca inaugura nesta quarta-feira (2) a primeira fábrica de metais sanitários da companhia na América Latina, em Vitória de Santo Antão. O governador Eduardo Campos e o presidente da Roca, Joan Jordà, descerraram a placa inaugurativa. A unidade gera 300 empregos diretos.

O empreendimento tem capacidade para gerar, por ano, 1,5 milhão de metais sanitários, como chuveiros, duchas e torneiras. No Brasil, o grupo tem um faturamento de R$ 944 milhões.

Só em 2014, o grupo pretende iniciar oito linhas completas de produção para torneiras, misturadores e acessórios para banheiros. Pelo menos 150 pessoas devem ser empregadas no primeiro ano de funcionamento da fábrica. Serão 300 quando ela toda estiver funcionando.

Esta é a primeira fábrica de metais sanitários do grupo no Nordeste e produzirá equipamentos das marcas Roca e Celite. Em Pernambuco, o grupo já possui uma fábrica da Celite para construção de louças sanitárias, que funciona no Curado.

A unidade foi construída em um terreno de 50 mil metros quadrados, dos quais só a fábrica e a unidade de armazenagem ocupam 10 mil metros quadrados. Existe a possibilidade de ela ser expandida para 15 mil metros quadrados.

ver link

Gerador de contato para seu produto



                                      http://www.GeradorDeContatos.com/soft 

A resistência de uma pequena cidade de Pernambuco

Professora, telegrafista e até o delegado de Vitória de Santo Antão entraram na lista de 21 acusados de subversão

Leonencio Nossa ENVIADO ESPECIAL / VITÓRIA DE SANTO ANTÃO
A professora foi para a rua liderar o levante contra o golpe. Os trabalhadores da estrada de ferro cruzaram os braços. O telegrafista disse para os primeiros soldados com carabinas nas mãos que não tinha condições de mandar mensagens. O delegado não aceitou as ordens do Exército. Diante da agitação, o comércio fechou as portas. A rádio AM foi tomada por defensores do presidente João Goulart e, pelo microfone, conclamou os ouvintes a resistir. O sindicalista resistiu e foi fuzilado num canavial. O corpo dele virou repasto de aves de rapina. Os militares forjaram um suicídio que indignou a família.

Festa militar em Vitória de Santo Antão, em 1974: resistência foi sufocada por Exército e polícia - Acervo Municipal - 3/8/1974


A crônica com tintas surreais dos primeiros dias de abril de 1964 em Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, na época com 30 mil moradores - hoje sua população passa de 100 mil -, mostra que, na história do Brasil contada a partir do interior, o povo não assistiu, mais uma vez, bestializado, e os generais não esperaram o AI-5, quatro anos depois, para dar início à barbárie.
Festa militar em Vitória de Santo Antão, em 1974: resistência foi sufocada por Exército e polícia
O delegado Edvaldo Rodrigues Cavalcanti entrou na lista de 21 acusados de subversão que teriam resistido ao golpe na cidade da Zona da Mata pernambucana. Foi expulso da Polícia Militar. Documento do Conselho Especial de Justiça do Exército, de dezembro de 1969, obtido pelo Estado, destaca que o ex-tenente "procurou sublevar o destacamento policial e até camponeses adestrados para uma reação ao movimento revolucionário". Esse personagem desconhecido afirmou, em sua defesa, que tinha orgulho por jamais permitir que senhores de engenho colocassem as mãos em seu ombro e dissessem: "Meu delegado".

A paraibana Maria Celeste Vidal Bastos, na época com 37 anos, e o sindicalista pernambucano Luiz Serafim de Santana, 36, foram outros líderes do levante contra o golpe citados no documento. Na manhã do dia 1o de abril, eles convocaram trabalhadores dos engenhos para o levante. Centenas deles foram para a cidade com foices, enxadas e paus. Eles ocuparam a Rádio Jurema. O comerciante José Lyra, 87 anos, lembra da passeata com pessoas erguendo varas com ossos amarrados para reclamar dos mortos nos canaviais. "O Exército e a polícia apareceram. Foi um Deus nos acuda", relata.
Morte. Chegou à cidade a notícia de que o corpo do sindicalista Albertino José de Oliveira já estava em estado de putrefação na mata. A Secretaria de Segurança Pública disse que o sindicalista morreu envenenado. A professora foi capturada num engenho próximo e levada para o Recife, onde ficou presa por mais de três anos. Sofreu choques elétricos. Para o ex-telegrafista José Andrade de Oliveira, Maria Celeste era a grande líder da resistência na cidade. "Cortava o cabelo bem curtinho para protestar."
Com o acirramento das disputas entre senhores de engenho e o grupo de Maria Celeste, a Igreja Católica, meses antes do golpe militar, afastou o padre Manoel Monteiro Neto, vigário da paróquia desde 1958. Ele estava envolvido no movimento camponês. Entrou no lugar dele o padre Renato da Cunha Cavalcanti, filho de senhor de engenho. Hoje com 82 anos, padre Renato permanece na paróquia de Vitória de Santo Antão e se recusa a entrar em divergências. Em entrevista ao Estado, reclama da primeira pergunta sobre "o dia do golpe". "Já começou mal a entrevista. Uns dizem que foi revolução", adverte. "O padre Manoel Monteiro Neto estava no meio das Ligas Camponesas. Por isso, o bispo me mandou para cá."
Maria Celeste e Luiz Serafim decidiram fugir na noite de 2 de abril. Na manhã do dia 4, Vitória de Santo Antão estava cercada pelos militares. O levante contra o golpe durou 36 horas. A ditadura mataria em outras cidades da região da cana seis lideranças rurais ao longo de 1964. Não se sabe o número de trabalhadores mortos no período na área pela rede de repressão. "Essas mortes foram praticadas muitas vezes por milícias de policiais à paisana, e comandadas por usineiros", destaca Amparo Araújo, secretária de Direitos Humanos do Recife.
Em 21 anos de regime, o Exército só faria operações de guerra na zona rural, como as ações contra a guerrilha do Araguaia, o Movimento de Libertação Popular (Molipo) e a operação Pajuçara, de caça ao capitão Carlos Lamarca. Era no campo que o regime manteria os mais influentes agentes do Centro de Informação do Exército, motor da repressão. As polícias se encarregariam, geralmente, de controlar as guerrilhas urbanas. 

Estudantes foram primeiros mortos no recife.
Uma das primeiras vítimas da ditadura militar era de uma família de homens que, ao longo do século, oscilaram entre a militância política e o quartel. O estudante pernambucano Ivan Rocha Aguiar, 21 anos, atingido por tiros na esquina da Avenida Dantas Barreto com a Rua Marquês do Recife, era neto de um chefe político que, nos anos 1920, espalhava cópias do Manifesto Comunista, e filho de um ex-sargento do Exército que combateu revoltosos paulistas em 1932.
Naquele 1o de abril de 1964, Recife amanheceu com tropas do Exército nas ruas. Ivan saiu cedo de casa para participar de uma passeata de apoio ao governador Miguel Arraes, que estava cercado no Palácio do Campo das Princesas. Um irmão, o soldado Danúbio, 20 anos, ficou preocupado e foi atrás de Ivan. Encontrou-o perto da Praça da Independência. Eram 16 horas. "Não vai aí na frente, não, porque a turma está muito agitada e o Exército pode atacar", advertiu Danúbio. "Não vou deixar os companheiros", respondeu Ivan, que pegou uma bandeira de um colega e seguiu para a praça.
Minutos depois, a 300 metros, começaram os tiros. Estudantes só tinham cocos e pedras nas mãos. "Uma tropa atirou com metralhadoras", lembra Danúbio, que não viu mais o irmão. Horas depois, soube que dois estudantes tinham sido baleados. Um deles era Jonas José de Albuquerque e o outro, Ivan. "Havia ali polícia e Exército, não sei de onde partiram os tiros." Segundo testemunhas, um colega de Ivan tentou socorrê-lo. "Não aguento, Florêncio, estou cansado", teria dito Ivan. O amigo correu. Uma viatura estacionou. "Disseram-me que ele estava ainda com vida quando entrou no camburão", afirma Danúbio.

Eduardo e João Lyra discutem transição de Governo

Antes de assumir o Governo do Estado no dia 4 de abril, o vice-governador João Lyra Neto (PSB) terá o seu time definido e anunciado. O futuro chefe do Executivo estadual afirmou que o anúncio dos nomes que vão substituir os secretários que deixarão o Governo deverá ser feito, pelo menos, dois dias antes da cerimônia de posse.

O ritmo será intenso, já que no dia 7 de abril o gestor estadual fará uma reunião com os seus auxiliares, na qual todos tomarão posse dos cargos. Hoje, é aguardada uma conversa entre Lyra e o governador Eduardo Campos (PSB) para definir os nomes que saem da gestão. O final de semana servirá para o gestor se acertar com os escolhidos.

Enquanto o anúncio não é oficializado, as especulações correm soltas nos bastidores. O presidente do Lafepe, Luciano Vasquez, assumiria a Casa Civil, no lugar de Tadeu Alencar (PSB), que disputará um mandato de deputado federal. O administrador de Fernando de Noronha, Romeu Baptista, ficaria coma pasta de Governo, no lugar de Milton Coelho (PSB), que ainda não tem missão definida. A pasta de Ciência e Tecnologia ficaria com o secretário-executivo José Bertotti. O chefe de Gabinete do futuro governador deverá ser o seu atual secretário de Imprensa, Rubem Júnior (PTN). Na pasta de Comunicação, o jornalista Ivan Maurício é um dos mais cotados e Roberto Freitas é apontado para a de Cidades. O secretário-executivo de Meio Ambiente, Elvio Polito, pode assumir o comando da pasta no lugar de Sérgio Xavier, que deve assumir um papel na campanha nacional de Eduardo.

O nome do secretário estadual de Planejamento, Fred Amâncio, é ventilado para as pastas da Fazenda e Saúde, mas tende a permanecer no atual posto. O fazendário de Caruaru André Alexei também já foi apontado. Mas nas hostes eduardistas, a torcida é pelo secretário-executivo da pasta, José Neto. O próprio secretário da Fazenda e pré-candidato ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB), espera a escolha do vice-governador para definir se o auxiliar integrará sua coordenação de campanha. Ontem, questionado se teria interesse na permanência do atual comandante da Saúde, Antônio Figueira (PSB), no posto, João Lyra ignorou a pergunta por mais de uma vez.

A Agricultura ainda permanece indefinida. A saída do titular, Aldo Santos (PSB), é especulada, mas o socialista não foi informado sobre o recuo no seu projeto de disputar uma vaga na Câmara Federal.ver link


Lyra nega reunião, cobrança de lealdade e murro na mesa de Eduardo


A informação de que, em recente reunião, o governador Eduardo Campos (PSB) teria cobrado lealdade do vice-governador João Lyra Neto (PSB) e teria, inclusive, dado um murro na mesa na expressão de sua insatisfação com o aliado foi negada pelo caruaruense. Em nota, Lyra assegurou ao jornalista Lauro Jardim, do blog Radar on-line, que divulgou a história, que nem mesmo a referida reunião ocorreu.

Segue, abaixo, a nota do vice-governador ao blogueiro:

"Prezado Lauro Jardim.

São absolutamente improcedentes as informações veiculadas no seu blog 'Radar on-line'.

Pautei os sete anos de exercício do cargo de vice-governador pelo respeito mútuo, lealdade e compromisso histórico com a Frente Popular de Pernambuco, que elegeu o governador Eduardo Campos.

A reunião a que seu blog se refere jamais existiu.

Atenciosamente,

João Lyra Neto
Vice-governador de Pernambuco."

ver link

Marcha da Família tem confronto no Rio

Marcha da Família tem confronto no Rio de Janeiro

Defensores de intervenção militar nos moldes do golpe de 1964 encontraram integrantes de movimentos sociais

RIO - A Marcha da Família com Deus pela Liberdade, realizada no Centro do Rio de Janeiro neste sábado, 22, teve momentos de tensão e quase confronto físico entre militantes de direita e de esquerda.

A confusão começou depois que cerca de 150 manifestantes que defendem uma intervenção militar na política como o golpe de 1964 - que foi precedido por manifestação homônima, mas que teve centenas de milhares de participantes - , encontraram outro grupo, com cerca de 50 integrantes de movimentos sociais. Com posição política de esquerda, esses ativistas protestaram contra a manifestação pró-golpe, que começara em caminhada pela Avenida Presidente Vargas iniciada na Candelária. O encontro dos dois grupos aconteceu perto do Comando Militar do Leste, na área da Central do Brasil, no Centro do Rio.

Policiais militares fizeram um cordão de isolamento entre as duas manifestações, mas houve um momento em que integrantes dos dois lados furaram o bloqueio. Houve corre-corre, e a Polícia acabou forçando os manifestantes de esquerda a se afastar do local. Após a confusão, os grupos permaneceram na região, mas afastados e com uma "fronteira" formada por PMs que impediam confrontos.

Antes do tumulto, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) participou da Marcha. Oficial da reserva do Exército, o parlamentar disse, no entanto, que não é favorável à proposta de intervenção militar, que, segundo ele, "descaracteriza o movimento".

"Estou aqui como patriota. Este governo, aos poucos, via legislação, busca cercear os direitos individuais dos cidadãos", declarou o político, cujo partido integra o governo federal e o apoia no Congresso Nacional.

Entre as palavras de ordem da Marcha, estava: "Da liberdade não abro mão. Pela família, eu quero intervenção" e "Defesa da família não é golpe militar, é deixar a pátria livre para a ordem governar" e "Comunas não passarão" - inversão de um lema antifascista da Guerra Civil Espanhola (1936-39).

O advogado André de Paula, defensor da Frente Internacionalista dos Sem-Teto que participava do protesto dos movimentos sociais, também atacou o governo Dilma Rousseff, por considerá-lo conservador. "Estamos em uma ditadura do capital, em um País que promove a remoção e o despejo", afirmou ele, referindo-se a expulsão de comunidades pobres causadas por obras realizadas por causa da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

As palavras de ordem estampadas pelos integrantes dos movimentos sociais em placas incluíam: "Pelo fim do Estado, poder ao povo" e "Paredão aos torturadores do regime militar".

No fim da tarde, cerca de 50 militantes de esquerda decidiram ir em passeata até a sede do antigo Departamento de Ordem Política e Social, onde ativistas realizam há dias o "Ocupa Dops", manifestação que exige a constituição, no local, de um centro de memória da ditadura de 1964-85.

ver link

Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de Down é comemorado nesta sexta-feira

Data criada pela Organização das Nações Unidas é um reforço à inclusão e integração



Formada em gastronomia, Beatriz diz que enfrentou preconceitos, mas que superou todos os desafios
O preconceito e a falta de esclarecimento ainda não foram totalmente superados em relação aos portadores da Síndrome de Down. Mas aos poucos, esse cenário vem sendo substituído. E a família é a principal protagonista desse processo de inclusão. A criação de grupos para troca de experiências e afirmação das inúmeras conquistas, ao longo do caminho, são cada vez mais comuns. No bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, pais e mães de crianças com Down reúnem-se diariamente na Associação Novo Rumo, para conversar e estimular seus filhos na prática de atividades diversas. Unânimes, confirmam que a adoção de atitudes como dedicação, informação, cuidados médicos específicos e, sobretudo, amor, foi capaz de gerar resultados que mudaram suas vidas. Agindo assim, reforçam a proposta do Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de Down, celebrado hoje. Uma data que busca afastar a ignorância - que vitimou os portadores durante séculos - e difundir o conhecimento sobre essa condição genética, promovendo o respeito e uma verdadeira integração dessas pessoas na sociedade.

"No início, a falta de conhecimento sobre o assunto chegou a me levar ao pleno desespero. Com o passar do tempo, entendi que estava recebendo uma importante missão, capaz de me transformar em uma pessoa melhor", revelou a funcionária pública Eliane Raposo, de 43 anos, mãe do pequeno Gabriel, de 2. Ela é uma das dezenas de mães que frequentam a Associação Novo Rumo. O espaço oferece atendimento médico, pedagógico e social, além de muitas atividades de lazer. "Eu sou apaixonada pela arte e, se pudesse, estaria aqui todos os dias", revelou, ofegante, Letícia, de 12 anos, enquanto jogava Capoeira. Na animada roda, meninos e meninas saltavam e entoavam cantigas, espantando qualquer sinal de limitação. "Ela melhorou significativamente. Está mais solta e independente", revelou a sua mãe, Fátima Gomes, 53, que não parava de aplaudi-la.

Marina Mahmood/Folha de Pernambuco
Na Novo Rumo, atividades para o desenvolvimento
Criada em 2006, a data é um compromisso internacional assumido através de uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, de acordo como Ministério da Saúde, a cada 700 nascimentos, uma criança tem Down. Atualmente, estima-se que existam cerca de 300 mil pessoas com a síndrome, nas diversas regiões do País. E que a cada dia demonstram que podem superar dificuldades. "Eu enfrentei muito preconceito, mas consegui vencer todos os desafios, provando que sou capaz", afirma a jovem Beatriz Machado, de 26 anos, referindo-se aos percalços que enfrentou para conseguir realizar o sonho de se formar em gastronomia em uma universidade. "Não existe barreiras quando se está determinada, hoje posso ensinar o que aprendi para meninos e meninas iguais a mim", falou emocionada. No fogo, uma fornada de cupcakes fazia o aroma se alastrar por toda a casa, tornando a oficina de culinária uma das mais disputadas da Associação.

    "Para eles, ser feliz pode significar muitas coisas, como ir à escola, viajar, tocar uma música, ganhar seu próprio dinheiro ou, simplesmente, admirar o universo ao redor. É preciso acompanhar o crescimento como um todo. Os parentes e amigos devem estar juntos e acreditarem. A receita é baseada no amor", afirmou a médica geneticista Paula Arruda, que há mais de dez anos iniciou o projeto. Ela destaca que a expectativa de vida para este público foi bastante ampliada, atingindo cerca de 70 anos.

    Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de DownCrédito: Marina Mahmood

    Em salas coloridas, com espelhos, computadores e muitos brinquedos, os profissionais se revezam para atender a um público bastante especial. "Nosso trabalho inclui a estimulação precoce, a partir dos primeiros meses de vida. Damos atenção ao desenvolvimento da linguagem e fala, além do avanço cognitivo e psicomotor", explicou a fonoaudióloga Sandra Ramos. Já a terapeuta ocupacional, Fátima Francisco, destaca que as ações podem ser usadas para tratar a falta de força muscular e trazer melhora nas habilidades. "Realizamos um avaliação constante, evitando possíveis atrasos", pontuou. Apesar do grande avanço na área, promovendo mais qualidade de vida para quem tem a síndrome e todo o seu círculo familiar, muitos fatores ainda representam um entrave, afligindo a muitos pais. "Conseguir uma escola foi uma grande peleja. Algumas recusaram a matrícula e outras chegavam a cobrar duas mensalidades para aceitá-la. É um absurdo!", criticou a estudante Danielli Cristina, de 26 anos, enquanto brinca com a filha Maria Luísa, de 4. "Hoje podemos comemorar muitas vitórias, mas precisamos estar juntos para vencer todas as outras", concluiu.ver link

     


    MPPE opina pelo indeferimento do pedido de Pedro Corrêa para trabalho externo

    A recomendação foi encaminhada à 1ª Vara de Execuções Penais, que deverá julgar o caso na próxima semana

     / Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

    O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), através do promotor Marco Aurélio Farias da Silva, opinou pelo indeferimento da solicitação de trabalho externo feita pelo ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP), que cumpre pena de sete anos e dois meses no Centro de Ressocialização do Agreste, em Canhotinho, por envolvimento no processo do mensalão. A recomendação já foi enviada à 1ª Vara de Execuções Penais, que é responsável pelo caso de Corrêa. No pedido, a defesa solicita a saída do reeducando para trabalhar em uma unidade de saúde de Garanhuns e para que ele faça um curso de pós-graduação no mesmo município.

    Na recomendação, o promotor alega que faltaram dados que embasem a solicitação, como informações do diretor da unidade prisional de Canhotinho. Além disso, Marco Aurélio Farias destaca que Corrêa ainda não cumpriu um sexto da pena, conforme prevê o artigo 37 da Lei de Execuções Penais. O artigo foi usado como argumento no pedido de trabalho.

    O juiz da 1ª Vara de Execuções Penais, Luiz Rocha, deverá julgar a solicitação na próxima semana. Apesar de ser prioritário, já que Corrêa é idoso, o processo do ex-deputado segue os trâmites dentro do prazo previsto, conforme destacou o magistrado. Segundo ele, a vara analisa os casos por ordem cronológica. Esta semana, o advogado de Corrêa, Plínio Nunes, disse que iria denunciar a demora na análise do processo ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

    O caso, porém, contou com alguns imprevistos. Quando determinou a transferência de Corrêa para Canhotinho, o juiz Luiz Rocha comunicou que estaria repassando o processo para a 3ª Vara de Execuções Penais, que é responsável pelos reeducandos do Centro de Ressocialização do Agreste. Na ocasião, o ministro Joaquim Barbosa estava de férias e somente no início de fevereiro determinou que o caso permanecesse na 1ª Vara.

    A 1ª Vara de Execuções Penais, que tem 18 servidores, é responsável por gerir casos de unidades prisionais que contam com pelo menos 15 mil detentos. Em virtude da demanda, o processo de Corrêa aguardou a análise dos demais casos prioritários. "Tenho casos de ameaça dentro da unidade, problema de saúde, presos com tuberculose, portador de câncer. São problemas variados", disse o juiz Luiz Rocha. Ontem, a vara conseguiu zerar o número de processos que estavam aguardando despacho no gabinete.ver link

    Concurso do IFPE terá 169 vagas

    Edital está previsto para a próxima semana, com chances para candidatos de níveis médio e superior

    Foto: DivulgaçãoO Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) divulgou na noite desta sexta-feira (21/03) que na próxima semana lançará edital de seu novo concurso público. Serão 169 vagas de níveis médio e superior.

    São 34 oportunidades para 18 cargos técnicos, que exigem nível médio; e 135 para professores de 45 áreas, com nível superior. Os aprovados serão distribuídos nos 16 campi da instituição - sete na Região Metropolitana do Recife e nove no interior.

    As inscrições estão previstas para serem abertas entre os dias 31 deste mês e 11 de abril. As provas escritas deverão ser realizadas em 18 de maio.

    ver link

    Renato Aragão revela medo da morte após infarto e oração: “Deus, não me leve agora”

    Renato Aragão revela medo da morte após infarto e oração: O humorista Renato Aragão, 79 anos, sofreu um infarto no último sábado, 15 de março, e após ser socorrido e tratado, afirmou que pediu a Deus que não o levasse ainda: "Há tanta coisa pra fazer", disse o intérprete do icônico personagem Didi.

    O médico cardiologista Jorge Castro y Perez, responsável pelo atendimento ao humorista, afirmou que o quadro de Renato Aragão era "grave porque eram duas lesões numa mesma artéria". No entanto, a recuperação de Renato, que foi socorrido rapidamente e recebeu tratamento adequado, é considerada excelente pelos médicos, de acordo com informações do Jornal Nacional.

    O próprio humorista relatou o momento em que sentiu a dor no peito: "Eu estava na festa da minha filha, que foi sexta-feira (14), fiquei feliz da vida, estava alegre. Acabou a festa, fui para casa, dormi tranquilo. No dia seguinte, tomei café, quando foi umas nove horas da manhã, veio uma dor enorme no peito, parecia que tinha um caminhão de mudança aqui em cima. Uma dor indescritível, insuportável, nunca tinha sentido isso. Eu gritava 'ai'. Mas já tinha uma equipe médica aqui me esperando, aí eu não sei o que aconteceu comigo, já me doparam, ali mesmo fizeram o tratamento, colocaram um stent", relembra.

    No caminho, Renato afirma ter feito uma oração para que Deus o desse mais tempo de vida: "Quando eu vinha para cá, a dor era tão grande, eu falava: 'meu Deus, não me leva agora, que não está na hora. Tem muita coisa para fazer, tem dois seriados para fazer… O Senhor compreende, né?'", disse o humorista, revelando grande apreço pelo trabalho.Renato Aragão se tornou conhecido no Brasil inteiro interpretado Didi Mocó, com o grupo Os Trapalhões, que era formado pelos também humoristas Mussum, Zacarias (já falecidos) e Dedé Santana, que se converteu ao Evangelho e contou seu testemunho em diversas igrejas pelo país.

    ver link

    CBTU abre concurso com 178 vagas para o Recife

     / Foto: Clemilson Campos/Acervo JC ImagemA Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) divulgou na manhã desta segunda-feira o edital do concurso público para formação de cadastro de reserva e 525 vagas efetivas de níveis médio, técnico e superior. Dentre elas, 178 são para atuação no Recife, sendo 166 de livre concorrência e 12 reservada a pessoas com deficiência.

    Entre os cargos estão assistente operacional, assistente de manutenção, técnico de gestão, técnico industrial, médico do trabalho e analista de gestão (nível superior para diversas especialidades, como arquitetira, engenharia, biblioteconomia, estatística, comunicação social e tecnologia da informação). 

    Os salários vão de R$ 1.718,09 a R$ 5.393,72. As inscrições começam no dia 20 deste mês e seguem até o dia 22 de abril, no site da Consulplan, organizadora do certame. 

    Clique aqui para ler o edital.ver link

    Saúde reforça controle do sarampo em 67 municípios nordestinos

     / Foto: Clemilson Campos/ Acervo JC Imagem

    Portaria do Ministério da Saúde publicada nesta segunda-feira (17) no Diário Oficial da União autoriza repasse financeiro contingencial para 67 municípios nordestinos considerados de maior risco para a disseminação do sarampo. Os municípios que receberão a verba extra ficam nos estados de Alagoas, da Bahia, do Maranhão, do Piauí, da Paraíba, do Rio Grande do Norte e de Sergipe.

    Serão disponibilizados R$ 3,7 milhões com o objetivo de intensificar as ações de controle da doença. De acordo com a portaria, o Fundo Nacional de Saúde vai adotar as medidas necessárias para a transferência automática dos valores para os fundos municipais de saúde, em parcela única.

    Na semana passada, o governo federal liberou R$ 100 mil para intensificar as ações de controle da doença no Recife (PE). Pernambuco e Ceará enfrentam surto da doença.

    Em 2013, o Ministério da Saúde registrou 190 casos confirmados de sarampo, sendo 180 em Pernambuco e um no Ceará. Já em 2014, até o dia 13 de fevereiro, 61 casos foram registrados no Ceará e quatro, em Pernambuco.ver link

    Plenário da Casa Diogo de Braga passará por reformas

    CM01_1

     

    Antes de encerrar o ano de 2013, a presidência da Câmara de Vereadores da Vitória de Santo Antão levou ao conhecimento dos demais vereadores o projeto de arquitetura do que será o novoPlenário da Casa Diogo de Braga, a ser reformado em 2014, sob o projeto arquitetônico do vitoriense Kleber Carvalho, o qual apresentou a ampliação do novo Plenário que deverá preservar em sua integridade o atual prédio histórico do Legislativo vitoriense.

     

    Prof. Edmo Neves (PMN) esclareceu que o prédio histórico do legislativo vitoriense estará assegurado em seus valores arquitetônico e cultural. O projeto gestado pelo arquiteto garantirá a ampliação do Plenário Juarez Cândido Carneiro com estrutura interna moderna e que atenderá as novas demandas do parlamento. Lembrou ainda que o atual Plenário não contempla o novo momento de expansão da municipalidade e que o prédio reformado garantirá mais espaço, conforto e acesso as novas tecnologias aos edis e sobretudo a população. Após o projeto arquitetônico, a próxima etapa será o levantamento de custos da reforma para a devida publicação do edital de licitação pública. (LN).ver link


     

    Prefeitura da Vitória implanta Centro Especializado para População em Situação de Rua


    A Prefeitura da Vitória de Santo Antão, através da Secretaria de Ação Social do município, implantou o Centro Especializado para População em Situação de Rua – Centro POP – que desde fevereiro deste ano realiza atividades de abordagem nas ruas.
    A Equipe do centro é formada por 1 Coordenadora – Pedagoga; 02 Psicólogas 02 Assistentes Sociais e 03 Educadores Sociais.
    O trabalho da equipe do Centro POP é extenso: primeiro os profissionais fazem a abordagem e primeiro atendimentos a essa população. Depois faz encaminhamentos, acompanhamento  aos diversos  serviços  da rede pública (CAPS, saúde, cursos de qualificação profissional, e outros); Identificação e procura da família, Visitas domiciliares, retorno ao Convívio familiar, inserção na vida comunitária, atividades em grupos, atendimento psicossocial, emissão de documentos, autonomia e inclusão social.
    Diagnóstico realizado recentemente pela secretaria de Ação Social da Vitória, identificou o perfil da atual   realidade da população de rua no município, e levantou o seguinte quadro: foram identificadas 26 pessoas, sendo 23 homens e 03 mulheres em situação de rua. Essas pessoas comumente dormem em Galpões (antiga feira de Mangalho), Rodoviária, estação de trem, Praça da Matriz, marquises de residências, centro da cidade e locais  desativados. A  grande maioria não possui nenhum tipo de documentos, são usuários de álcool, apresentam problemas de saúde, baixa escolaridade, não tem nenhuma qualificação profissional, graves problemas familiares, transtorno mental, não recebem nenhum tipo de renda.
    O Decreto 7.053 de 23 de Dezembro de 2009 – Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social, Instituiu a Política Nacional para a População em Situação de Rua, trata-se de grupo populacional heterogêneo que possui em comum a pobreza extrema, os vínculos familiares fragilizados ou rompidos e a inexistência de moradia convencional.
    O centro POP trabalha agora a reversão desse quadro em nosso município, buscando mudar a realidade dessas pessoas.
    Serviço:
    Atualmente o CENTRO POP, está funcionando provisoriamente anexo  ao CREAS – Livramento, na Rua Henrique Dias, 251. Fone 3523 3523 3299.

    Informações da assessoria ver link

    Mistério da Copa: quanto custou a Arena Pernambuco?


    Quanto custou a Arena Pernambuco? Se você buscar na internet e achar R$ 532 milhões, nada mais errado. 

    Há quase um ano, desde que o estádio ficou pronto, o governo admitiu que o custo aumentou. Mas nunca disse para quanto. 

    Chegou-se a falar em algo próximo a R$ 650 milhões, depois mais nada. A menos de cem dias da Copa 2014, desta vez a pergunta foi feita de forma diferente, por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), criada para dar mais transparência à administração pública. O resultado foi mais mistério. O governo reconhece o óbvio, que os R$ 532 milhões eram só o "investimento inicial" e que recebeu um pedido de aumento. E só. É assim que a pergunta continua: afinal, quanto custou a Arena Pernambuco?

    O governo federal criou em 2011 a Lei de Acesso à Informação, a LAI, também replicada no Estado. Ela cria a transparência ativa, a obrigação do governo de divulgar toda e qualquer informação sob sua custódia, com exceção de questões que ameacem a segurança, por exemplo. E também a transparência passiva, a obrigação do gestor público de responder a questionamentos de qualquer cidadão.


    Com a LAI, a reportagem protocolou no último dia 12 um pedido de informação com três questões, uma delas direta, sobre a arena. A resposta da Secretaria de Planejamento e Gestão, três semanas depois, foi esquiva: "O investimento inicial previsto, conforme proposta vencedora da licitação, foi de R$ 532 milhões. Encontra-se, em análise pelo Estado, pedido de reequilíbrio econômico-financeiro."

    A resposta mistura questões bem diferentes. Para entender, basta lembrar que a concessão com a Arena Pernambuco Negócios, do grupo Odebrecht, é uma parceria público-privada (PPP): mistura 3 anos de obras e 30 anos de prestação de serviços.

    Por causa do prazo longo, o pagamento de tudo em geral é diluído em três décadas, um custo final bem maior que o da construção. É como um apartamento: o financiamento custa bem mais que o imóvel.
    Então, este é o drible do governo: perguntado sobre o "preço do apartamento", diz estar revendo o financiamento.

    Para evitar mal-entendidos, o JC voltou a buscar a Secretaria, pela assessoria de imprensa, enfatizou a diferença entre uma questão e outra e repetiu a pergunta: qual foi o custo da Arena Pernambuco? A resposta foi a mesma: "Encontra-se em análise pelo Estado pedido de equilíbrio econômico-financeiro, que resultará no valor final do contrato."

    Apesar da esquiva, já é mais que sabido, o orçamento estourou. Quando o contrato foi assinado, em 10 de junho de 2010, o Estado se comprometeu a levar para a arena os 20 melhores jogos por ano de cada um, Náutico, Sport e Santa Cruz, uma receita anual de R$ 73,2 milhões.

    A condição era suspensiva: sem times, sem obras. Então, um aditivo em 21 de dezembro de 2010 destravou tudo. O Estado garantiu uma receita mínima de R$ 36,6 milhões por ano até 2043. Mas o prazo de obras ainda era 3 anos, ou seja, depois da Copa das Confederações, em dezembro de 2013. O governo pediu para a entrega em abril, a um custo alto: só o número de operários dobrou para 5 mil.

    Em maio de 2013, o secretário Extraordinário da Copa, Ricardo Leitão, disse que a "ordem de grandeza" do novo custo era R$ 650 milhões. Depois silenciou sobre esse ou qualquer outro número. Naquele mesmo mês, a IFL Empreendimentos e Tecnologia foi contratada para rever todo o contrato, após pedido de revisão da Odebrecht.

    Jornal do Commercio